quinta-feira, 3 de julho de 2008

Planejando seu Orçamento (Parte I)

Agora que você já está contabilizando seus gastos, é hora de juntar os seus dados e objetivos na sua ferramenta mais poderosa: A planilha de orçamento.

Para resolver o problemão das dívidas astronômicas, o primeiro passo é saber o quanto se gasta e principalmente, em quê. Quando tivermos essa visão panorâmica das nossas finanças, poderemos enfim começar a tomar atitudes para resolvermos o problema.

O que é afinal o orçamento?

De acordo com a wikipedia:
Orçamento é o plano financeiro estratégico de uma administração para determinado exercício.
No nosso caso, vamos criar um orçamento para administrar nossas finanças pessoais visando quitar dívidas. Parafraseando nossos colegas do Como Poupar Dinheiro, para iniciarmos um orçamento pessoal é necessário melhorarmos nossas atitudes; nos disciplinando a registrar todos os gastos, conforme foi discutido num post anterior.

Criando um rascunho de planilha de orçamento

Antes de traçarmos as metas para sairmos do fundo do poço das dívidas, precisamos saber o que pode ser feito atualmente, e o que pode ser melhorado em nossas finanças. Para isso vamos criar uma planilha de orçamento, inicialmente bem simples, que vai confrontar as receitas com as despesas. Você vai precisar saber:
  1. Suas receitas: todo o dinheiro que entra, como salários, recebimento de aluguéis, renda de trabalhos extras e etc. No caso do salário, utilize apenas o valor líquido já com todos os descontos de INSS, imposto de renda e outros.
  2. Suas despesas fixas: despesas mensais cujos valores são os mesmos mês a mês, como pagamento de aluguel, prestação do carro, faculdade, pagamento de internet, entre outros. Normalmente as contas de água, luz e gás são discriminadas aqui, embora possa haver uma pequena flutuação de valor entre os meses. Não insira ainda pagamentos de dívidas aqui, vamos fazer isso mais adiante.
  3. Suas despesas variáveis: despesas mensais cujos valores podem assumir valores diferentes mês a mês, como contas de telefone fixo, telefone celular, cartões de crédito, despesas com mercado e outras despesas.
Pegue uma folha de caderno, uma caneta e se quiser uma calculadora. No começo da folha discrimine suas rendas (valores líquidos). Caso exista mais de uma fonte de renda, calcule o subtotal delas e anote logo abaixo. Em seguida, discrimine todas as despesas fixas e calcule o valor subtotal. Finalmente discrimine as despesas variáveis calculando também o subtotal. Caso você tenha seguido o conselho de anotar tudo, é necessário resumir estes gastos ao inserí-los nesta planilha.

Abaixo temos um exemplo do primeiro rascunho da planilha:

PLANILHA DE ORÇAMENTO

-- Receitas --

Salário: R$ 1959,30
Manutenção do site da padaria: R$ 150,00

Subtotal: R$ 2109,30

-- Despesas fixas --

Aluguel + condomínio: -R$ 400,00
Faculdade: -R$ 450,00
Luz: -R$ 40,00
Internet: -R$ 99,00

Subtotal: -R$ 989,00

-- Despesas variáveis --

Celular: -R$ 59,90
Gastos com balada: -R$ 193,40
Gastos com transporte: -R$ 105,60
Cartão: -R$ 349,23
Compras pra casa: -R$ 233,89

Subtotal: -R$ 942,02

-- Sumário --

Receitas: R$ 2109,30
Despesas fixas: -R$ 989,00
Despesas variáveis: -R$ 942,02
TOTAL: R$ 178,28


Analise esta planilha e observe que na seção Sumário ainda sobraram R$ 178,28 no orçamento. Mas há um porém, ainda não inserimos os valores das dívidas atuais e isso vai mudar tudo.

No próximo post iremos completar esta planilha e então veremos o que acontecerá quando as dívidas entrarem no orçamento. Fique ligado!

3 comentários:

Manoela disse...

Muito legal o blog...já me ajudou bastante em algumas orientações.

Juliana Cavalcanti disse...

Andei lendo esse blog e é mt esclarecedor.Espero mais postagens.Beijos

Bruno disse...

Gostei do blog...bem direto.